Frete - Depreciação


Depreciação do Caminhão


Os Bens Patrimoniais, devido ao uso e pelo desgaste natural ao longo do tempo, sofre desvalorização de seu valor original, a qual se denomina “depreciação”.
A depreciação é a diminuição do valor dos bens tangíveis ou intangíveis, por desgastes, perda de utilidade por uso, ações da natureza ou obsolescência.
Com exceção de terrenos e alguns outros itens, os elementos que integram o ativo permanente tem um período de vida útil limitado. Dessa forma, o desgaste ou obsolescência desses bens devem ser registrados em conta própria, a fim de apresentar o verdadeiro valor dos ativos fixos nas demonstrações elaboradas pela contabilidade.
Para depreciação, a base é a divisão de seu valor contábil pelo prazo de vida útil do bem, observando-se que serão incluídas no valor contábil, bem como no valor da conta de depreciação, os valores resultantes de reavaliações.
Mesmo não sendo prática comum o cálculo da depreciação dispõe que as previsões para depreciação serão computadas para efeito de apuração do saldo líquido.

Para o cálculo de depreciação do veículo:


Considere que um caminhão com 10 anos também vale 20% de um novo. Por exemplo: se custou R$ 100 mil, ainda vale R$ 20 mil. Os outros 80% do valor pago, R$ 80 mil, devem ser divididos em 120 parcelas. Neste caso o valor da depreciação será de R$ 666,00 por mês. Esse é o valor que deve ser colocado na Planilha de Custo Frete – Item Depreciação.
Considere que em 10 anos, a depreciação de um caminhão será de pelo menos 75%, qualquer que seja o modelo. Isto se refere somente à depreciação do bem e não à remuneração do capital. Conforme demonstrado na Planilha Custo Oportunidade.
Baseado na declaração de Adalberto Panzan

Depreciação

Baixe a Planilha:

Depreciação